Energia solar tem aumento de 560% em pouco mais de dois anos no Brasil

Energia solar tem aumento de 560% em pouco mais de dois anos no Brasil

Setor aposta na geração fotovoltaica para a redução de custos

De acordo com o último levantamento da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o Brasil ultrapassou a marca histórica de 1 gigawatt de potência instalada em geração de energia distribuída.  Em apenas dois anos, o número de instalações de painéis solares teve um aumento de mais de 560%. O número que era de pouco mais de sete mil (7.400) saltou para 49 mil unidades em todo o Brasil.

O alto custo da energia elétrica no País, preços cada vez mais competitivos dos equipamentos solares e a preocupação com o meio ambiente por parte dos consumidores explicam o aumento desse tipo de energia limpa e renovável.

Com o modelo de geração distribuída, empresas e residências podem produzir sua própria energia por meio de painéis fotovoltaicos com um investimento atrativo. “O processo de instalação é simples e vantajoso. Temos casos de economia de até 95% na conta de energia elétrica. Por isso, a taxa do retorno é muito atrativa para nossos clientes e, além disso, o tempo de vida útil dos painéis solares é de mais de 25 anos”, afirma Elen Lima do Patrocínio Gabry, franqueada da Solarprime – Unidade Niterói.

 

Como funciona

A energia solar é gerada nos painéis fotovoltaicos, que convertem a irradiação da luz do sol em energia elétrica. Em seguida, a energia passa pelo inversor, que a deixa pronta para o consumo.

Durante o dia, os painéis solares geram a energia, que pode ser usada para qualquer aparelho elétrico. Se o sistema fotovoltaico produzir mais energia do que o local utilizou, o excedente será enviado para a rede elétrica, gerando créditos em quilowatts.

Em contrapartida, nos momentos que o sistema está gerando menos energia, como em dias com muita nebulosidade, a demanda de energia consumida será maior do que a gerada pelo sistema fotovoltaico, neste caso, é utilizada a energia fornecida pela rede elétrica da região.

Nesses momentos, os créditos gerados serão usados para abater o gasto. No final do mês, a conta de luz será o resultado da diferença entre a energia que o sistema produziu e a energia consumida. Se a casa ou empresa acumulou créditos que não foram utilizados, eles ficam disponíveis para serem usados por até 5 anos!

Desse modo, a produção de energia e o consumo entram em equilíbrio e o sistema fotovoltaico poderá suprir toda a demanda de energia do local.

Fonte: Exame